logo

O mensalão impresso: o escândalo político-midiático do governo Lula nas páginas de Folha e Veja

DissertacaoEsta dissertação buscou analisar a cobertura do jornal Folha de S.Paulo e da revista Veja sobre o escândalo político-midiático do mensalão, no primeiro mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ela abrange a relação entre imprensa e política, a partir da perspectiva da teoria social do escândalo político de J.B. Thompson, que mostra não só a importância dos meios de comunicação de massa, como também a sua influência crescente no processo político. Para a análise quantitativa, foram levantadas informações com base nos critérios de seleção (“valor-notícia”), agendamento (“agenda setting”) e enquadramento (“framing”) do noticiário. Para a qualitativa, adotou-se o método dos “pacotes interpretativos” de Gamson e Modigliani. Como forma de referenciar as conclusões, este trabalho aplicou o mesmo tipo de metodologia em um escândalo político-midiático do governo de Fernando Henrique Cardoso, o caso dos grampo do BNDES e dossiê Cayman, além de um período anterior e outro posterior aos episódios estudados de cada governo. Procuraram-se extrair elementos que indicassem, de forma objetiva, variações no tratamento da imprensa em relação aos dois governantes. O estudo comparado indicou que a partir do mensalão Veja aumentou consideravelmente o teor de conteúdo crítico sobre o presidente petista Lula, enquanto poupou o tucano Fernando Henrique Cardoso. Já Folha elevou sua cobertura crítica ao petista durante a crise política, mas esse comportamento guarda semelhanças com o padrão que adotou com o tucano.